Fechar

Notícias

31 Jul de 2019 Dinâmica em movimento

Construtora facilita a vida de moradores ao assumir primeiro ano de gestão do condomínio

Além da experiência na solução de problemas estruturais que possam aparecer após a entrega das obras, empresa também é responsável por ensinar os atalhos que possibilitam que moradores assumam a administração de forma mais tranquila.

Logo depois da alegria de receber as chaves de seus imóveis novos em folha, os moradores de um prédio ou residencial horizontal têm pela frente um novo e grande desafio: o processo de implantação do condomínio. Contratação de funcionários, elaboração de regimento interno, compra de equipamentos básicos e a manutenção são algumas das situações que acabam afastando muitos condôminos de assumir o papel de síndico, muitas vezes pela falta da disponibilidade de tempo e expertise para lidar com os problemas envolvendo os condomínios.

Em Goiânia, para aliviar seus clientes das dores de cabeça típicas do primeiro ano de funcionamento do prédio, a Dinâmica Engenharia assumiu a administração de um de seus empreendimentos residenciais. A iniciativa pioneira foi implantada no residencial Detail Vaca Brava, localizado no Setor Bueno. Nesse período, a responsabilidade pela administração ficou a cargo do próprio coordenador de obras da empresa, o engenheiro civil Moacir Benedito Ferreira. A gestão terceirizada durante os 12 primeiros meses do condomínio foi autorizada durante a primeira assembleia geral de moradores e todas as ações da administração foram acompanhadas por um conselho de moradores.

Detail Vaca Brava /Gabriel Sosnoski

“A utilização da estrutura administrativa da construtora e a realização de manutenções de responsabilidade do condomínio sem custo aos moradores geraram benefícios com a redução do custo na taxa de condomínio de cerca de 36%”, afirma o engenheiro. Entre as principais vantagens, Moacir também destaca as melhorias e conservação das áreas comuns, transparência na gestão de contas e redução dos ruídos de comunicação entre a construtora e a administração do condomínio.

Outro ponto positivo é a utilização da estrutura da própria construtora como base para a gestão do condomínio. “Contamos durante todo o período com pessoas experientes na contratação de fornecedores idôneos que permitem encontrar soluções de maneira eficaz em um curto espaço de tempo, além de usar tecnologias que utilizávamos, como o sistema para controle do plano de manutenção da edificação”, pontua.

Primeiro ano difícil

Os dados da Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais (Abrassp) de 2017 detalham que mais de 68 milhões de pessoas vivem em condomínios no Brasil, administrados por mais de 421 mil síndicos. Em Goiás são quase 12 mil responsáveis pela gestão de condomínios. De acordo com o assessor jurídico do Sindicato dos Condomínios e Imobiliárias de Goiás (Secovi-GO), Leonardo Avelino, o primeiro ano após a entrega dos condomínios é, de fato, o momento mais delicado por demandar mais atenção para quem vai ficar na administração, pois é o período de reunir documentos, seguros, compra de mobiliário, contratações e outros serviços que são necessários para o bom funcionamento do condomínio.

Ele destaca que a gestão dos primeiros meses dos condomínios pelas construtoras tem sido uma prática cada vez mais comum no País, justamente para que a empresa possa usar sua expertise para corrigir eventuais problemas pós-obras, conhecimento que os moradores, muitas vezes, não possuem. “É importante que os moradores também estejam presentes durante todo o processo de tomada de decisão e possam expor suas críticas, sugestões e dicas para a manutenção e administração do espaço”, lembra.

Economia

O industrial Fábio Vilela, morador do Detail Vaca Brava, aprovou o período de gestão assumido pela Dinâmica e disse que um dos principais benefícios foi a economia para os condôminos. “Um fator positivo foi o financeiro porque a construtora já sabia como superar as dificuldades gastando pouco. Além disso, ganhamos na questão do conhecimento, porque não sabíamos quais eram os principais desafios que envolviam o primeiro ano de gestão”, destaca.

Apesar da gestão dos 12 primeiros meses ter sido da construtora, os moradores do condomínio também estavam representados durante as principais tomadas de decisão por meio de um conselho formado por condôminos. Fábio era um dos três conselheiros e destaca que esse apoio oferecido pela empresa foi fundamental para que a implantação do condomínio ocorresse sem sobressaltos. “O primeiro ano sempre é o mais difícil, porque não temos o dinheiro em caixa para fazer manutenção, que são muitas. Sem falar que a maioria dos moradores não sabe fazer a gestão dos empreendimentos, não tem noção de administração, contabilidade”, ressalta o morador do Detail Vaca Brava.

www.dinamicaeng.com.br

Foto destacada: Detail Vaca Brava /Robson Dantas

Voltar