Fechar

Notícias

26 Jul de 2019 Dinâmica em movimento

EFLORESCÊNCIA: COMO RESOLVER ESSE PROBLEMA NA CASA DO SEU CLIENTE

Para tratar a eflorescência é preciso verificar produtos que possam limpar o local e reaplicar o impermeabilizante

O excesso de umidade em um imóvel pode causar diversas patologias, tais como: manchas e bolhas na parede, trincas e goteiras, marcas de bolor, infiltração de água e também a eflorescência, que é uma passagem de umidade através de infiltração pelo concreto e argamassa, o que acaba gerando a patologia que é formada por soluções cristalinas de cor branca que aparece na superfície do revestimento, como paredes, tetos e pisos.

Além das patologias, o excesso de umidade, também causa diversos problemas de saúde, principalmente, respiratórios. Para evitar tais complicações e gastos desnecessários com manutenção é fundamental realizar a impermeabilização correta de ambientes expostos à umidade. De acordo com Marco Antônio de Carvalho, engenheiro civil da Dinâmica Engenharia, “isso acontece, principalmente, onde se tem impermeabilização e onde se concentra umidade como piscinas. Quando o nível da água sobe, ela vai passar por aquela espessura de argamassa, então, naquele lugar onde a água vai passar pelos materiais compostos e componentes químicos do cimento, gera tais sinais esbranquiçados que esteticamente não ficam bons e que também vão comprometer a estrutura”, aponta.  Portanto a aplicação de impermeabilizantes é extremamente importante e recomendada para:

 

– Piscinas, fontes e tanques de água;

– Boxes de banho, lavabo e áreas próximas a banheiras;

– Banheiros e lavanderias industriais, comerciais e residenciais;

– Ofurôs e banheiras de hidromassagem;

– Cozinhas e áreas de processamento de alimentos;

– Terraços e sacadas construídos sobre vãos livres;

– Marquises e fachadas;

– Saunas (quando utilizadas em conjunto com uma barreira a vapor).

 

Para evitar o problema com o surgimento de eflorescência é recomendado que se utilize cimentos mais resistentes, como o CPIII e o CPIV – que possuem menor reserva alcalina em função do alto teor de pozolana, o que acaba diminuindo as chances da eflorescência aparecer. “Além disso, depois de feito o acabamento e revestimento de cerâmica, aplicar algum produto impermeabilizante por cima a fim de tratar o rejunte para que ele consiga reter o máximo possível alguma eventual permeabilidade de água por essa argamassa”, orienta Carvalho.

No caso da eflorescência já ter aparecido, deve-se realizar a limpeza com ácido acético em paredes e fachadas e observar o nível de água e se ele é recorrente. A fim de eliminar a causa, deve-se corrigir com um dreno, no caso de piscinas.

Fonte: Mapa da Obra

Voltar