Fechar

Notícias

18 May de 2020 Mercado Imobiliário

Saiba como diminuir o impacto do Corona Vírus em meio a pandemia

Sim, o coronavírus (Covid-19) pegou o mundo de surpresa — e que surpresa! — e, claro, se tornou um assunto comum nas conversas e noticiários. Mas há algo de diferente nesse vírus? Ele não apenas afetou a saúde das pessoas, mas gerou uma espécie de “transmissão comunitária” de prejuízos na economia do planeta. 

Neste artigo, mostraremos um panorama sobre os efeitos do coronavírus no setor de imóveis. Falaremos também a respeito de possíveis oportunidades e maneiras de minimizar os “golpes” desta crise. Acompanhe os próximos tópicos!

Coronavírus e mercado imobiliário: como está essa batalha?

A Covid-19 provocou um “efeito dominó” na economia global. É incrível perceber que todos os setores empresariais estão sentindo quedas significativas na lucratividade. Muitos comparam a fase atual com a terrível crise financeira mundial de 2008 — algo que todos queriam esquecer.

Segundo um artigo da coluna “Economia” do portal Uol, vários segmentos já “apertaram os cintos” na esperança de sobreviver à turbulência provocada pelo coronavírus. Mas e o mercado imobiliário? Bem, não está em uma situação muito melhor. De acordo com informações dadas pela rede de notícias CNN Brasil, 86% dos compradores entrevistados disseram que adiaram a decisão de comprar ou locar um imóvel.

Entre os profissionais do setor, 54% perceberam um aumento do número de cancelamentos de vendas desde o início da quarentena. A fase atual é um duro golpe no setor de imóveis que estava em franca recuperação após cinco anos de recessão. Em resumo, estamos no meio de um “furacão”. A boa notícia é: nenhuma tempestade dura para sempre!

É possível enxergar oportunidades no cenário atual?

Em vista da dura realidade, é importante que os gestores das imobiliárias percebam as oportunidades de negócios e trabalhem em cima delas. Para alguns clientes, a crise atual realmente favorece a compra de um imóvel. No entanto, é necessário “abrir os olhos” deles para essa oportunidade.

Algo que pode ajudar nesse objetivo é conversar com os clientes investidores, ou seja, o grupo que adquire imóveis com o intuito de lucrar financeiramente. Por terem esse perfil, muitos deles têm investimentos no mercado de ações ou se interessam em conhecer bons ativos para injetar capital no momento atual.

Em vista das quedas drásticas das bolsas de valores no mundo, fica mais fácil argumentar que alocar capital em imóveis gera uma segurança maior. Afinal, a tendência de recuperação do setor imobiliário após a crise tende a compensar esse tipo de investimento.

Outro ponto positivo de comprar imóveis atualmente é a queda nas taxas de juros. Recentemente, o portal R7 Economia revelou que o Banco Central do Brasil reduziu a Selic pela sexta vez consecutiva, atingindo um corte de 5%. Com a taxa em 3,75%, as linhas de crédito pessoal e imobiliário reduziram os juros dos financiamentos.

Dessa forma, financiar a compra de um imóvel ficou mais atraente. Entretanto, cabe aqui um conselho para os gestores das imobiliárias: a redução da Selic não abre caminho para todos os clientes investidores. Esse é o momento favorável para aqueles que têm uma boa reserva financeira. Como assim? Vamos explicar.

Existem pessoas que têm capital poupado que permite, se desejarem, a compra de um imóvel à vista. Sendo assim, esse grupo pode aproveitar essa fase para ingressar em um financiamento e utilizar parte do capital para diversificar as formas de investimento — por exemplo, os fundos imobiliários voltados para o setor logístico.

Visto que essa área engloba a locação de galpões, a tendência é permanecer estável por causa do aumento do volume de compras pela internet, ocasionada pela quarentena. Vale lembrar que as empresas virtuais utilizam essas edificações para concentrar e despachar os estoques.

Dessa maneira, pode ser que a renda do fundo imobiliário contribua para a quitação das parcelas do financiamento, deixando intacto o capital em reserva. Contudo, esse mesmo grupo de clientes pode aproveitar outra oportunidade: a compra à vista. Porém, essa decisão precisa levar em conta alguns fatores.

Antes de optar por esse caminho, o comprador precisa entender se tem um bom ativo diante de si. Caso o imóvel tenha uma excelente localização, qualidade, liquidez e potencial de valorização, mas momentaneamente está depreciado, são grandes as chances de obter um bom retorno sobre o investimento após a crise.

O ideal é que a imobiliária seja bem sincera com os potenciais compradores e nunca oportunista. Dessa forma, ganhará a confiança dos clientes e aumentará a credibilidade no mercado em que atua.

Como diminuir os impactos da crise do coronavírus nos negócios?

Imagine se a pandemia do coronavírus atingisse a humanidade e as empresas não tivessem os recursos virtuais disponibilizados pela tecnologia. Sem dúvidas, o estrago seria bem maior. Felizmente, o fluxo de trabalho das imobiliárias continua ativo no mundo online. Sendo assim, esse é o momento para investir em estratégias digitais.

Uma das maneiras de fazer isso é estreitando o relacionamento com os clientes por meio das mídias sociais. Por exemplo, a postagem regular de fotos dos imóveis disponíveis para venda ou locação dará visibilidade para o portfólio da imobiliária. Para instigar o interesse e a interação dos clientes, o ideal é abusar da criatividade.

Digamos que a empresa apresente a imagem de um belo apartamento que tem uma vista privilegiada. Abaixo da foto, a legenda diz: “Acha difícil passar a quarentena nesse apartamento?” Com certeza, muitos comentários virão e, quem sabe, algumas vendas também. Podemos apontar o marketing de conteúdo e o reforço no atendimento online como duas práticas eficientes nesse momento.

No caso do marketing, a produção de artigos, vídeos e o uso das newsletters (envio automático de conteúdo) podem otimizar o acesso ao blog e ao site da imobiliária. Atrelado a isso estará a divulgação dos canais de atendimento para que os clientes possam tirar dúvidas sobre os imóveis.

Falando em interação com os clientes, a empresa precisa ficar atenta aos comentários dos consumidores nos artigos e nas redes sociais. O objetivo é responder rapidamente e direcionar os clientes para a jornada de compra.

Enfim, esperamos que a pandemia do coronavírus passe logo e os efeitos dela não sejam tão devastadores. Até lá, o importante é utilizar a inteligência de negócios e manter um fluxo razoável dos serviços e da lucratividade.

Fonte: Imóvel Web

Voltar